quarta-feira, 19 de junho de 2013

"José Eduardo dos Santos é angolano" afirma Miau, dirigente da CASA-CE





Fonte: Mwangole TV

Londres - Nos últimos anos, a naturalidade de José Eduardo dos Santos tem sido um dos aspectos mais questionados da sua biografia. Vários sectores da sociedade angolana chegam a justificar os aspectos negativos da governação de Eduardo dos Santos/MPLA com o “facto” de vários rumores apontarem que ele não é angolano autóctone. Verdade ou não, Eduardo dos Santos nunca se dirigiu a nação para esclarecer o assunto - algo que tem dado azo aos crescentes rumores sobre a sua verdadeira origem.

Durante a conferência da CASA-CE, organizada pela Mwangole TV no passado mês de Maio, coube ao Almirante André Gaspar Mendes de Carvalho “Miau”, na qualidade de ex-membro do MPLA, a responsabilidade de responder a pergunta de “1 milhão de dólares”.

José Eduardo dos Santos é angolano ou Santomense?

Respondendo a pergunta de José Pascoal, um angolano residente em Londres o Almirante disse: “Não estou em condições de dizer se José Eduardo Dos Santos, nasceu em São Tome ou nasceu em Angola”. “O meu pai tem 87 anos de idade e me diz que conheceu o pai de José Eduardo dos Santos e que ele é angolano”.

Para o Almirante, o que esta em causa não é a naturalidade do presidente, mas sim, reconhecer o seu contributo na luta de libertação de Angola. “O mas importante não é saber se ele é ou não angolano. Há quem nasce em Angola, é filho de angolanos e não quer saber nada sobre o país. O mais importante é saber que José Eduardo dos Santos saiu de Angola ainda muito jovem, foi para luta de libertação nacional, e cumpriu o seu papel”. Para Mendes de Carvalho, este feito por si só, o classifica como angolano. “Para mim é (Dos Santos) Angolano. Se não for por nascença, pelo menos por este contributo que ele deu ao país”.

Diz ainda, que não se opõem ao presidente por ser ou não Santomense, mas sim pela forma como tem dirigido os destinos de Angola. “Se hoje estou contra ele, não tem nada haver se é Santomense ou se é angolano. Não é isto que esta em causa, mas sim a maneira como ele governa o país”. “Deu o seu contributo muito positivo até uma determinada data, mas hoje não tem alternativa para o país. É por não ter alternativa para país, que eu entendo que ele por iniciativa própria, deixe o poder. De contrario teremos que encontrar vias legais para o tirar do poder porque os angolanos não podem continuar reféns de um indivíduo que não tem soluções para o seu povo”. Concluiu
Clique na imagem para assistir o vídeo onde constam estas afirmações: